CONQUISTANDO MENTES, CORAÇÕES E FORÇA DE TRABALHO CONTRIBUTIVA…

É muito comum encontrarmos hoje muitas empresas e respectivos dirigentes sendo capazes de conquistarem apenas e tão somente o mais básico nível de trabalho contributivo das equipes de colaboradores, ou seja, muitas empresas conseguem apenas estabelecer a mais rasa das relações de trabalho: a troca de trabalho por dinheiro.

Porém num mundo tão complexo, em uma era de tantas mudanças e em um contexto de negócios extremamente competitivo e altamente conectado e veloz, a contratação da força de trabalho sem uma real conquista de mentes e corações é um grande desperdício de dinheiro, tempo e certamente um saquitel furado de investimentos.

Se na sua empresa as pessoas estão apenas trocando força de trabalho por dinheiro, certamente este deve ser um dos locais mais infelizes e tristes da terra, pois o trabalho – diferente do que muitos empresários infelizmente ainda pensam – é o que dignifica o ser humano quando este é completo e integral, pois as pessoas não querem mais somente trabalhar, as pessoas querem contribuir, querem somar, querem agregar, querem transformar o seu redor laboral com suas ideias, inspiração, criatividade, emoção, entusiasmo e motivação.

Então o desafio destes novos tempos é conquistar mentes, corações e ai sim uma força de trabalho contributiva que gera valor e inovação ao negócio, algo que acontece quando as lideranças da empresa investem na capacitação e desenvolvimento das pessoas e trabalham diligentemente como liberadoras e despertadoras de dons e talentos de forma contínua.

Seguem alguns conselhos sobre como fazer isto na prática:

1) Crie e compartilhe propósitos grandes, desafiadores e motivadores: saia do discurso do “list to do”, do “job” para aquilo que as pessoas, a empresa e os clientes ganharão quando objetivos e metas são atingidas e realizadas;

2) Permita que as pessoas contribuam, envolva-as: ao invés de trazer planos prontos e espartanamente comunicados, crie grandes “janelas de contribuição” dentro de cada grande assunto ou projeto, provoque positivamente e construtivamente as pessoas para que tragam ideias e sugestões;

3) Desenvolva massa crítica para grandes contribuições: pare de dar e trazer todas as respostas, pare de apresentar todas as saídas, pare de achar que só você sabe o que funciona no seu negócio, crie reuniões e momentos produtivos de discussão de problemas e desafios através de muitos “Q-Storm” (tempestade de questões) que levem as pessoas a refletir, pensar e encontrar juntas novos caminhos e soluções, utilizando por exemplo Reuniões de Action Learning;

4) Apresente as recompensas emocionais e financeiras para as pessoas: lembre-se que as pessoas não trabalham somente por dinheiro, ainda que este seja importante, as pessoas também trabalham pela satisfação de fazer parte de algo com significado e de serem obviamente recompensadas e reconhecidas também de forma emocional, o que requer um equilíbrio que vai muito além das famosas “plaquinhas de agradecimento” e os “gordos bônus financeiros” tão conhecidos.

Pense e responda dentro da realidade do seu negócio: os planos e metas da minha empresa, do meu negócio ou do meu projeto são significativas a ponto de conquistar as mentes (lógica e razão), os corações (emoções e sentimentos) e força (dedicação laboral intensa) da minha equipe de forma altamente contributiva?

Saiba de algo: é possível conduzir um negócio por um grande tempo apenas pagando as pessoas pela troca de sua força de trabalho, mas é impossível prosperar, evoluir, crescer e perpetuar um negócio no longo prazo seguindo apenas esta equação simplista e ultrapassada de gestão.

Por fim, acredite que hoje e cada dia mais – os colaboradores do século XXI não aceitarão mais uma relação evoluída e melhorada de um sistema escravagista, hoje todo e qualquer colaborador tenderá a pensar e agir como um intra-empreendedor da sua carreira e vida, algo que não pode ser mais ignorado.

Abraço e boas conquistas para todos!

Fonte: Conquistando mentes, corações e força de trabalho contributiva…

Faça seu Comentário